quinta-feira, 30 de junho de 2011

NOVO FRACASSO EM CASA

Estou aqui novamente para relatar a perda de três pontos, que de certa forma seria obrigação conquistá-los em meio ao Monumental.

Mal começou o jogo, aos 4 min. Gustavo Bastos abre o placar para o Avaí. O Grêmio passou o 1° tempo mal organizado, ouvindo vaias intercaladas com os cantos, citando também que a injustiça volta a se manifestar para o tricolor, dois gols anulados, um de André Lima e outro do Leandro, a meu ver o 1° estava em posição legal, já o 2° confesso que não.

No entanto, a péssima arbitragem não justifica os erros do mandante, principalmente os de passes e bolas mal trabalhadas que chegavam de balão no ataque. Claro que, não se podem tirar os méritos do adversário que teve uma boa atuação.

No 2° tempo, Escudero entra e Miralles estreia, mesmo levando outro gol aos 6 min. O tricolor mostra uma melhora, vai para cima, com as substituições aumentam as finalizações, principalmente vindas dos pés do Miralles, que foi bem participativo.

Passava da metade do tempo regulamentar, quando Escudero sofre pênalti, que para alguns foi duvidoso e gerou polêmica, Douglas converte. Pressão tricolor no finalzinho, confusão e bate rebate na área, quando aos 49 min a bola sobra para Rafa Marques que deixa o placar igualado.

Síntese = 1 ponto conquistado em casa, 12° na tabela com 8 pontos e a demissão de Renato.

Na minha cabeça só resta à pergunta: E AGORA?

@sah_damini Samanta Damini


Share |

[Fotos] - Grêmio 2 x 2 Avaí


Espaço Arena



@HelenFVargas Helenita Vargas

Share |

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Se seguir assim... :/


Ah, mais um texto, mais uma derrota, o que falar? De quem é a culpa?! O Grêmio está vivenciando uma péssima, horrível, fase... Primeiro a Libertadores, depois o Gauchão, e agora somos obrigados a assistir isso. Cadê o Renato do ano passado que nos tirou do rebaixamento? Onde estão os reforços? Cadê a garra que o Grêmio costumava ter? O que ganhamos nos últimos anos? Não meus amigos, de Gauchão não se vive!

Bem, o Renato do ano passado sumiu. Os reforços que vieram não estão sendo bem utilizados. E a garra, olha essa não morreu, mas são poucos que a tem.

Estamos aqui fazendo uma campanha para o Grêmio alcançar os CEM MIL sócios, para ajudarmos o nosso amado Grêmio e de nada adianta, onde é investido o dinheiro, em jogadores que é o mais necessário é que não é!

O time está sem raça, nunca vi um Grêmio assim, do jogo contra o Avaí só posso destacar duas pessoas: Marcelo Grohe, que está sim muito melhor que o Victor, e o Miralles que foi o único que mostrou raça desde que entrou. Miralles no momento está sendo o melhor, o Renato só precisa aproveitá-lo mais. O Grêmio só tem raça e vontade de vencer nos 45 do segundo tempo, quando vê que realmente precisa, é só aí que o Grêmio acorda, mas tem que despertar muito, muito mais cedo!!!!

Bem, acho que não precisa nem mencionar a arbitragem, todos temos olhos... Só digo uma coisa, se o Grêmio não reagir logo ano que vem nos vemos na segundona! Ah, já ia esquecendo, com um time desses ainda querem vender o Adilson? Ainda querem deixar o “maestro” Douglas? Ainda querem deixar o Lucio de volante? Na minha opnião, Adilson está muito melhor!

“Ser gremista... é um sonho delirante (não, não) Ser gremista... TÁ DIFÍCIL!!”

@natiaw Nathálie Mendonça
 
Share |

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Artilheiros à vista

Depois de tanto esperar teremos um ataque digno, desde a saída de Jonas e Borges e a lesão de André Lima estamos sofrendo no ataque, Junior Viçosa, Lins, Roberson entre outros foram testados mais nenhum rendeu o esperado poucos gols e más atuações levaram eles a serem vaiados pela torcida.

Agora com a volta de André Lima e Miralles podendo estrear provavelmente as coisa melhorarão, André Lima recusou o titulo de "Salvador da Pátria" ele também já mostrou no ano passado e no começo do ano que é um tipico "Matador", e Miralles esperamos atuações como no Colo-Colo/CHI e até melhores, apesar que pode demorar para ele se adaptar ao futebol Brasileiro.

                                                         @JoaoCassol João Vitor Cassol

Share |

Samba de Uma Nota Só

Dos quatro grandes do Rio, o Botafogo é um dos que melhor recebe os gremistas. Sempre acontecem confraternizações antes do jogo, não só entre as organizadas mas entre os torcedores comuns. A sensação de segurança no deslocamento até o Engenhão, os torcedores adversários dizendo “sejam muito bem-vindos” e “estão sendo bem tratados aqui?” dão mostras de que é possível sermos adversários sem sermos inimigos.

Mas a parte boa do jogo de ontem acabou por aí.

Quem lê meus textos com alguma frequência ou acompanha meus comentários no Twitter sabe que eu sempre defendi o Renato. Pra mim ele é Rei e estava sempre certo. Mas depois do jogo de ontem, não consigo mais defender meu ídolo. Renato errou. Escalou um time defensivo demais para atuar contra um Botafogo que não dispunha de seus dois principais jogadores, Loco Abreu e Jefferson. E confiou ao fraquíssimo Lins a missão de finalizar os contra-ataques do 4-5-1 com que o time entrou em campo. Não aproveitou Leandro por tempo suficiente. Meu querido Renato agora é o novo Professor Pardal do futebol brasileiro, com invenções técnicas e táticas imcompreensíveis, como colocar mais de dois laterais em campo ao mesmo tempo.

Ontem ficou claro o quanto o Lins não serve. O quanto o Renato erra ao não colocar Leandro pra começar. O quanto Rochenback faz falta. O quanto o Fernando ainda é imaturo. E o quanto o Douglas só joga quando quer.
Há muito deixei de acreditar na Maldição do Rio de Janeiro, da qual já reclamei e esbravejei tantas vezes. Na verdade, não é o mar de Copacabana que faz mal aos nossos jogadores. O Grêmio vem consistentemente mal com alguns lampejos de bom futebol. Peca por anos de falta de planejamento e por falta de senso de urgência. Enquanto Antônio Vicente Martins afirma que ‘não há prazo para reforços’, o Grêmio agoniza numa pequenez que não se via desde 1991.
Planejamento é trabalho de longo prazo. Não vai aparecer numa gestão de dois anos. Este pra mim é o nosso calcanhar de aquiles. As brigas políticas internas. Se uma gestão entrar forte em planejamento os resultados provavelmente só surgirão no próximo termo. E os louros também. Parece que nossos caciques preferem assim. Pequenos paliativos de curto prazo que o torcedor vai lembrar quem fez.
Os 20 minutos de apagão do Engenhão foram nada perto do apagão do Grêmio. Não apenas ontem. O Grêmio vem de uma década apagada, sem grandes títulos desde a Copa do Brasil de 2001. O Grêmio apagou em campo ontem e mostrou para todos nós que sem reforços urgentes não dá. E sem um planejamento consistente, só na década que vem.
(publicado também no globoesporte.com)

@anniefim
 
Share |

Grêmio x usurpador

Já disse o sábio Peninha: “o futebol é uma metáfora da vida” e como acontece na vida real nas horas difíceis os gatos saem de casa e só voltam quando tem certeza que todo está bem e calmo. Voltam atrás de mais alimento e conforto. Alguns torcedores são assim, simplesmente desaparecem, mas tem aqueles que por pura irracionalidade ou amor como queiram definir continuam agarrados ao barco independente se o naufrágio é eminente ou se já aconteceu eles simplesmente afundam junto e pronto.

Vocês devem estar se perguntando onde quero chegar correto?! Serei então mais clara, alguns gremistas já pularam fora do barco e até torcem contra para no fim poderem dizer: “Eu falei” mas do mesmo modo existe a torcida fiel que permanece e apóia, independente da crise que se estabelece. Quanto a mim? Sou daqueles que permanecem, mas permanecem sem entender muito bem o porquê. Deve ser aquele sentimento irracional que tenho por esse espírito, sim porque o Grêmio não é simplesmente um time de futebol, é um ideal, um sonho um espírito. Tudo bem, se defendo todas essas teses porque tenho dúvidas de porque ainda estou no barco? É simples, por mais que eu busque, revire e até imagine não vejo no Grêmio hoje sequer um resquício da “ALMA DO IMORTAL” e pergunto aos mais fanáticos: Vocês vêem o Grêmio que tanto defendemos entrar em campo? Viram nos últimos anos?

Mas, o que realmente me motiva a escrever esse texto foi a conquista do Santos depois de quase 50 anos na Libertadores, mas não pelo Santos e sim pelo Peñarol, time que torci ardentemente para que fosse campeão dessa edição. Diga-se de passagem uma edição “sem graça” podem me repreender se estou errada, mas LA sem Boca, River, Independiente, Nacional, Estudiantes nas fases finais não tem “a cara da Libertadores”. Ainda que chegou a final o Peñarol se não seria completamente descaracterizada. E o time do Peñarol me fez lembrar o Grêmio de 2007 que chegou a final se arrastando, conseguindo recuperações heróicas quando ninguém mais acreditava, mas perdeu a final.

O que mais me incomoda é não conseguir achar resquícios do futebol raça do Grêmio, “falta faz parte” disse Peninha, é a mais pura verdade. Zagueiro tem que ser xerife, tem que colocar medo, e se levar o drible tem que fazer a falta mesmo! Já estou até vendo os que vão dizer que a presente narradora defende a violência, não eu defendo a raça, o desconforto com a derrota, a garra e a VONTADE DE VENCER mesmo se a qualidade técnica for inferior. Já me perguntei se precisaríamos reformular nossa idéia quanto ao estilo do futebol raça praticado pelo Grêmio até 2007, e hoje depois de bastante refletir acho que não, aliás tenho certeza que não. Um time não pode ganhar no grito? Ah mas pode sim, pode ganhar no grito tanto da torcida quanto dentro de campo. A torcida do Grêmio continua com a mesma alma, quem está totalmente fora de sincronia é o time. As vezes olho alguns jogadores e tenho a impressão de que eles se perguntam o que estão fazendo no Grêmio, e a torcida se pergunta o mesmo. Não queremos espetáculos, queremos a agonia de volta, a esperança de que no último minuto o gol virá. A diferença é que exigimos, exatamente, EXIGIMOS o fim desse jejum de títulos.

Aos corneiteiros: Não, não vi meu time ser Campeão do Mundo ao vivo, mas tive outro privilégio que vocês não tiveram: Nasci campeã. Entendo a necessidade de tentar em algum momento mostrar alguma superioridade, vocês passaram 97 anos sendo motivo de piada pelo nome que carregavam sem ter sequer um título Internacional, nosso jejum é menor, e as piadas só começaram de verdade no ano passado. Mas querem saber, isso vai acabar logo logo e tudo vai voltar ao seu lugar.

Aos remanescentes: Notei que as gerações anteriores a minha veneram a geração do Grêmio de 80 que realmente foi a que obteve mais êxito sendo realmente campeã de todos os campeonatos importantes que disputou, só não foi mais porque roubar para times do “umbigo” do país é tradição antiga. Mas eu, e certamente toda minha geração sente realmente saudade e da irreverência de Paulo Nunes, dos gols de cabeça do atacante que devia ter sido reserva, mas na verdade se tornou Jardel, e nos fez admirar o centro-avante que só fazia gols de cabeça. Saudades de Danrlei, “rei das copas”, que brigava sim pelo time que ama. De Dinho batendo pênalti no seu estilo peculiar e fazendo da zaga território perigoso para o adversário, de Goiano, Carlos Miguel, Rivarola, Arce, Adilson, Arilson, Roger e claro Felipão, que não tinha vergonha de dizer: “Se tiver que fazer falta faz, mas para ele” claro todos sabemos que não com essa delicadeza. Não estou reclamando de Renato, continuo achando ele um “santo”, por continuar no comando de um time tão desfalcado. Só acho que ele não tem que tentar montar um time perfeito, com jogadas bonitas, uma espécie de tentativa de futebol arte no Grêmio. Isso jamais dará certo. Se vocês ficaram é porque assim como eu sabem que a má fase vai passar. Muitos vão ter que morder a língua, espero sinceramente que eu não seja uma delas, espero sim que o Grêmio seja campeão mas que não instaurem o futebol arte, se não serei obrigada a me mudar para o país ao lado: Uruguai. Espero ver Renato ser tão campeão como técnico como foi como jogador, espero ver os jogos emocionantes novamente, espero soltar o grito da garganta, tirar a mágoa do peito, ESPERO MEU GRÊMIO DE VOLTA.

@alineremus texto retirado do blog alineremus.blogspot.com

 
Share |

domingo, 26 de junho de 2011

Botafogo 2 x 1 Grêmio - Mais uma derrota "pro apagão" do Grêmio

Neste domingo, o Grêmio enfrentou o Botafogo no Engenhão, onde teve um primeiro tempo muito ruim, e no ataque só o Lins. Nos primeiros 20 minutos Marquinhos foi substituído, pois sentiu o tornozelo, e também não jogava bem, no seu lugar entra Roberson. Até então o tricolor gaúcho não tinha chutado ao gol de Renan, sem finalizações.

Ataque gremista não apresentou confiança para chutar, e os erros de passes continuam acontecendo de uma forma muito prejudicial, o último toque não acontecia.

O único “bom momento” ofensivo do Grêmio se resumiu em 2 minutos, onde aconteceram as únicas finalizações da primeira etapa, onde já beirava os 30 minutos.

Botafogo apresentou maior volume de jogo, força ofensiva, e com o fator “casa” também contribuiu, mas não justifica a má atuação do Grêmio, que teve como destaque seu goleiro Marcelo Grohe, que fez importantes defesas.

Segundo tempo, mesma formação e o jogo permanecia morno. O Grêmio continuava desperdiçando muitas chances de gol , inclusive só com o goleiro. Fernando é expulso após duas falta de cartão amarelo, dessa forma, o Grêmio com um a menos, toma um gol de uma cobrança de escanteio aos 25 min. cabeçada de Marcelo Matos.

Aos 30 min. sai Lins para entrada de Leandro, porém o terceiro apagão do ano no Engenhão acontece, e o jogo é paralisado por 22 min. Na volta, aos 36 min. numa jogada de Caio, Elkeson crava os 2x0 e o Grêmio ainda desorganizado em campo, talvez fosse pela opção tática de Renato. Meio que sem querer o Grêmio desconta aos 43, com Rafaela Marques, jogada surge numa cobrança de falta, 2x1. Com mais 3 de acréscimo tenta pressionar até o final, para uma possível reação. FIM DE JOGO.

Com este resultado continuamos sem ganhar do Botafogo em sua casa, assim os torcedores tricolores ficam no aguardo de uma reação no meio da semana,onde o Grêmio enfrente o Avaí, quem sabe contra a PIOR defesa do campeonato, nosso ataque desencante.

@sah_damini Samanta Damini


Share |

quarta-feira, 22 de junho de 2011

GRÊMIO EMPREENDIMENTOS E OAS LANÇAM SITE PARA TORCEDORES ACOMPANHAREM OBRA DIARIAMENTE

Novo portal www.arena.gremio.net traz fotos atualizadas que levam o internauta para dentro do canteiro de obras no bairro Humaitá.

A imprensa também ganha um espaço especial no qual é possível baixar conteúdos e fotos para publicação.
 
Para todos os torcedores gremistas que estão ansiosos em conhecer e acompanhar mais de perto as obras da nova casa Tricolor, a partir da noite da última terça-feira, 21/06, esse desejo se tornou realidade. Agora, através do site www.arena.gremio.net, o torcedor gremista poderá acompanhar a construção da obra durante 24 horas. Uma câmera foi instalada na grua do canteiro de obras – 40 metros de altura, localizado no bairro Humaitá, para captar imagens diárias, que serão publicadas para que toda a nação tricolor veja o andamento das obras. Através de uma barra de rolagem, o internauta vai poder voltar e avançar no tempo, enxergando na tela a evolução da construção do estádio. “Essa ferramenta mostra a evolução da obra como se fosse um vídeo de time-lapse (passagem do tempo),” explica Tiago Ritter dos Santos, Presidente da W3haus, empresa responsável pelo desenvolvimento do projeto.


Outra grande novidade será a participação dos torcedores. Se antes era possível enviar fotos e mensagens de apoio ao projeto, agora os gremistas vão poder gravar depoimentos em vídeos e hospedar no site.

Outros conteúdos disponíveis são dados técnicos do empreendimento no entorno da Arena, notícias, depoimentos de dirigentes e um FAQ atualizado - perguntas frequentes. A imprensa também ganha um espaço especial no qual é possível baixar conteúdos e fotos para publicação. Uma seção com os diferenciais do estádio, entre eles a Certificação Leed e projeto de Acessibilidade, e uma galeria com fotos diárias e novos vídeos também ganham destaque no portal.

“Queremos cada vez mais levar o torcedor gremista a conhecer e acompanhar a construção da maior Arena da América Latina. Gremistas de todo o mundo agora sabem o que está acontecendo na nova casa Tricolor”, destaca Eduardo Antonini, Presidente da Grêmio Empreendimentos.

O trabalho intenso tornou-se possível graças à integração entre o Grêmio, a Grêmio Empreendimentos, a OAS e a W3haus.

Fonte: Eliana Camejo e Karina Abrahão  

 
Share |

terça-feira, 21 de junho de 2011

Ronaldinho e a vergonha tricolor

No dia de hoje, Eduardo Antonini declarou que, propositadamente, Ronaldinho Gaúcho foi deixado de fora da lista de revelações do Grêmio. Afinal, "A categoria de base tem que formar cidadãos, não apenas jogadores", conforme afirmação do próprio Antonini. Interessante notar, que um dia antes, a explicação do diretor executivo de planejamento gremista, Cristiano Koehler, foi bem diferente.

Ao torcedor gremista é interessante notar considerações interessantes sobre este caso:

  • Eduardo Antonini desmentiu o que disse Cristiano Koehler ao fornecer a "real explicação" para deixar Ronaldinho de fora?
  • Ronaldinho, por pior pessoa que seja, não foi realmente formado no Grêmio? Não foi eleito o melhor jogador do mundo? Não seria bom para o Grêmio, enquanto instituição, contar com um jogador que já foi de alto calibre em sua lista de revelações?
É verdade que Ronaldinho chutou o Grêmio duas vezes e não merece mais chegar perto do Olímpico. Isso é fato. Mas há muita gente MUITO pior do que ele dentro do Olímpico HOJE. Senão, vejamos:
  • Hoje temos em nosso quadro de sócios e pior, em nossa tribuna de honra, um conhecido estelionatário, nas palavras da Justiça do Rio Grande do Sul. Há 40 dias, o presidente do Conselho Deliberativo, Raul Régis, prometeu resposta do Grêmio do Prata e a todos os gremistas sobre a exclusão do senhor José Alberto Guerreiro de seus quadros. Ele respondeu pra ti? Pra mim também não.
  • Hoje temos também um presidente que é mais deputado que qualquer coisa. Que outra explicação existe no Gre-nada dos deputados, realizada no gramado do Monumental? Isso sem falar nas inúmeras auto-promoções personalistas da figura do senhor deputado no site oficial do Clube.
  • Há 10 anos não ganhamos um título de grande expressão (Aflitos, por épico que tenha sido, foi somente série B). O que pensar desse mesmo deputado que passou 8 anos e meio na presidência e nos entrega... a Arena?
  • Aliás, a Arena. Um belíssimo empreendimento? Talvez. Uma conquista? Jamais. Conquista são títulos. É pelos títulos que a torcida cresce e o torcedor de associa.
Por estes e outros pontos que acredito que catálogo de revelações com ou sem Ronaldinho é o menor dos nossos problemas. Além de parecer vingança por mágoa. Temos muito o que (re)pensar dentro do Grêmio se quisermos voltar a ser grandes como merecemos.

@anniefim, gremista, sócia e indignada

Share |

segunda-feira, 20 de junho de 2011

REFORMULAÇÃO JÁ

Começo eu reformulando minhas idéias, deixo de encarar o campeonato brasileiro ou Brasileirão como queiram chamar, como um campeonato de pontos corridos. Passo a encarar como um verdadeiro mata-mata afinal um erro, uma derrota pode ser decisiva, não existe como ganhar na última rodada sem ter feito uma grande campanha. Mudo também minha idéia de que o Brasileirão só serve para classificar para Libertadores. Precisamos tanto de reformulação que “apenas” classificar para a Libertadores já não nos alegra. Queremos é ganhar, erguer a taça, dar a volta olímpica soltar a grito da garganta. Mas não há motivos para acreditarmos que o faremos, principalmente pela falta de dedicação, sequência e regularidade apresentadas pelo grupo. Na verdade senti vergonha por essa equipe entrar em campo usando a camisa do Grêmio de verdade, realmente não mereciam e não fizeram por merecer a honra que receberam.

Lembram o vice da LA07? Já viram alguma torcida comemorar tanto um vice? Não acham que tem algo de errado? Obviamente tem, comemoramos, choramos porque estava engasgado tanto os títulos (que jamais imaginamos que o co-irmão teria) como pelo jejum que enfrentamos, e tudo vem piorando e sejamos honesto que as conquistas recentes daquele outro time de Porto Alegre agravaram seriamente a situação. Tiraram qualquer honra ou moral que ainda tínhamos. Por mais que tentemos negar, é claro que isso nos incomoda muito.

O que nos deixa além da conta aceitável de desconforto é a falta de prespectivas. O time que empolgou a torcida no final de 2010 foi por água abaixo e sofreu muito para conseguir passar pelo modesto Liverpool do Uruguai. Sem contar que para chegarmos Libertadores foi preciso contar com a ajuda do Independiente. O Grêmio fez uma campanha fraquíssima e foi eliminado vergonhosamente contra Universidad Católica do Chile. Não bastasse, deixou o título gaúcho escapar duas vezes! Mas sem dúvida perder em casa tendo ao seu favor uma vantagem de 2 gols foi o cúmulo da humilhação, o adversário deu o espetáculo que o nosso antigo Grêmio costumava dar, um “maracanazo”, e provamos do nosso veneno. Há 29 anos não perdíamos um Gauchão em casa para o co-irmão, e o fizemos da forma mais vergonhosa que conseguimos. Não bastava quebrar esse tabu, a equipe quebrou mais um perdendo para o Corinthians em casa, o que nunca havia acontecida, o Grêmio jamais havia perdido em casa em uma estréia de Brasileirão. Pensamos que era apenas reflexo da má fase, mas não o time segue com sua campanha falha e oscilosa. Por mais que tentemos buscar uma luz, alguma esperança para nos agarrarmos não temos mais o que fazer. Apenas podemos acreditar que precisamos de uma reformulação geral, independente de que cabeças rolem.

Quem ainda não viu precisa ver que o Grêmio que todos nós aprendemos a amar desde o ventre de nossas mães NÃO EXISTE MAIS, o time está completamente descaracterizado por motivos óbvios. Mercenário atrás de mercenários vem tentando ocupar lugar na equipe com o único intuito de no final do mês seus salários entrarem na conta. Diretoria após diretoria cometem falhas grotescas mas usam o time apenas como pano de fundo para tirar proveito de sua torcida de uma forma ou outra. A torcida cega, pelo amor incontrolável que tem por esse time fingiu não ver e teve esperanças de mudanças mas chegou a um ponto intolerável. Queremos é ser campeões, de verdade, com moral para erguer a taça e soltar o grito de campeões brasileiros e ir em busca de uma Libertadores com um time estruturado, com uma verdadeira equipe e não estrelinhas isoladas que brilham algumas partidas e somem nas decisões. Queremos uma equipe como 1995 onde isolados podiam não ser os melhores, mas juntos jogam o verdadeiro futebol raça. Estou cansada desse projeto de futebol arte que o time tenta esboçar. Se tiver que ser expulso que seja, mas que jogue com garra, que jogue do jeito que sempre intimidou os adversários á colocarem os pés no Olímpico Monumental, que voltem a jogar da maneira com que faziam a torcida acreditar até o último minuto.

Não sei vocês mas eu EXIJO MEU GRÊMIO DE VOLTA!

 @alineremus texto retirado do blog alineremus.blogspot.com


Share |

domingo, 19 de junho de 2011

[Grêmio 1 x 1 Vasco] - De retrô só o uniforme

Nesta tarde de domingo o Grêmio entrou em campo com o uniforme tricolor retrô do Brasileiro de 81, comemoração dos 30 anos. Porém, a mesma garra que se via naquela época não esteve presente.

Nos primeiros 20 minutos Fernando Prass defende um pênalti cobrado por Gabriel, feito por Fagner que colocou a mão na bola. Em seguida, o Grêmio tem um gol anulado pela arbitragem, por impedimento de Magrão.

Notava-se um jogo equilibrado, mas pelo fato do tricolor estar jogando em casa, mostrava maior volume de jogo, porém, os erros de passes e a falta daquele último toque para gol foram decisivos.

Final do primeiro tempo, pressão Vascaína, e o Grêmio continuava errando passes, facilitando a formação de contra-ataques. Uma visível péssima atuação de Lúcio e Douglas comprometeu muito o meio campo, o ataque ainda segue frágil, mas a defesa estava muito segura.

O Grêmio teve muitas oportunidades de marcar, porém, não as converteu. Boas jogadas criadas, mas o que faltou realmente foi o gol, e dessa forma termina o primeiro tempo.

Para iniciar o segundo tempo, sai Lúcio para entrada de Escudero. De início Grêmio mostra um controle melhor de jogo comparado ao primeiro tempo, mas aos 15 min. o Vasco volta a pressionar, e o tricolor parece que olhava o adversário jogar, e quando construía oportunidades de gol, não “matava”.

Aos 20 min. sai Gabriel para entrada de Vilson, e 8 minutos depois troca Viçosa por Roberson. Até aí nada de melhorias explícitas e o Vasco abre o placar com Bernardo que entrara a 1 min. falha de Victor.

Aos 39 min. Grêmio tem um escanteio cobrado por Douglas, gol de Roberson. Até o final do jogo o tricolor faz o que deveria ter feito desde o início da partida, até bola na trave teve, mas já era tarde, porque o jogo termina empatado. Uma miscelânea de vaias e aplausos misturam-se em meio ao Monumental, enquanto na sala de coletiva sempre as mesmas desculpas.

@sah_damini Samanta Damini






Share |

sábado, 18 de junho de 2011

Pré-jogo Grêmio x Vasco

Neste domingo, 19 de junho de 2011, entram no gramado o Olímpico monumental Grêmio e Vasco. O Tricolor Gaúcho tem um retrospecto melhor, das 49 partidas o Grêmio venceu 21, perdeu 16 e empatou 12. O Imortal Tricolor é o décimo colocado no campeonato brasileiro o Vasco é o sétimo apenas 1 ponto os separa. A diferença do Grêmio para o primeiro colocado é de 6 pontos o que torna ainda mais importante o sucesso nesse confronto.

Para Victor esses mais de um motivo para ser importante, pois nesse confronto ele completa 199 jogos pelo Grêmio, apesar das sondagens do Galatasaray, Victor pretende chegar a marca de mil jogos. É o que queremos e que ele o faça em grande estilo.

Quem conquista espaço e tem a chance de mostrar se pode realmente ocupar sua vaga na posição de origem é Mário Fernandes. Segundo “O Santo” só faltava Mário se ajudar e com a expulsão de Rafael Marques surgiu uma oportunidade. Saimon fará dupla com Mário na zaga.

A escalação provável deve ser Victor; Gabriel, Mário Fernandes, Saimon e Neuton; Fábio Rochemback, Willian Magrão, Lúcio e Douglas; Lins e Júnior Viçosa.

Ainda à espera de reforços, o time vai a campo com o objetivo de se manter entre os dez primeiros colocados. Mas a torcida quer muito mais, quer dar adeus as oscilações e muito mais que lutar por uma vaga da Libertadores quer o Grêmio brigue pelo título. Então, no Olímpico só a vitória interessa, afinal campeonato de pontos corridos não permite oscilações.

@alineremus Aline Remus, Tricolor desde sempre

Share |

sexta-feira, 17 de junho de 2011

NÓS E OS 100 MIL

AMIGOS GREMISTAS:

Fui solicitado a escrever algo sobre as dificuldades que o Grêmio encontra para chegar aos 100 mil sócios. Bem, evidenciado que não é a minha área, com o que não disponho de ferramentas próprias e estatísticas adequadas para um estudo científico, mas não menos verdade que depois de acompanhar durante tanto tempo e de tão de perto a administração do clube me disponho a pensar que seja possível discorrer um pouco sobre a matéria até porque de muitas coisas virei testemunha, e muitas das vezes um depoimento pode ser mais útil, ou tão útil, quanto uma tese: na pior das hipóteses, ajuda. É claro que esta indagação passa pela mira do adversário que chegou nesta marca, e há, claramente, identificadores das diferenças entre os rivais neste item, algumas que nos são favoráveis – no sentido de se dar um bom desconto, outras nem tanto: enfim, prós e contras tudo e todos. Vejamos:

1. Estive no clube num período que talvez tenha sido o mais fértil de sua história – em especial a contemporânea – no que respeita a títulos, de 1993 a 1998. Impressionante o que o Grêmio vendia de produtos. Uma loucura. Foi uma época de combate duro e exitoso à pirataria, diga-se de passagem, com um depto. Jurídico, neste item, comandado por alguns dos mais bem sucedidos profissionais do ramo, entre eles o Dr. Mário de Freitas Macedo. Vocês devem estar lembrados que o logotipo do clube estava inserido em tudo, desde bala de goma até cerveja, cuia pra chimarrão, chinelos, sabonetes, e uma séria infindável de produtos, e foi quando se estampou o grande big bang da comercialização de marcas de clubes de futebol pelo país. O mais incrível e que nos dá um orgulho imenso é que o rival corria atrás de uma maneira que passava a ficar sem graça a concorrência. Como tudo no RS, aonde se nasce ximango ou maragato, tricolor ou vermelho, as empresas que investiam não patrocinavam apenas um, por razões de estratégia mercadológica, tinha que ter no comércio a marca dos dois clubes no mesmo produto, sob pena de atrair a repulsa da outra torcida ( a Parmalat não teve por aqui, ai se veria, efetivamente, o que é rivalidade que no RS se mistura à aversão .... ). A comercialização da marca Grêmio, nas estatísticas das empresas, era de deixar o adversário realmente...rubro. Perdi a conta das vezes que os homens dos negócios diziam isto no clube e receavam o que ocorreu. Nos supermercados e lojas em geral as prateleiras dos utensílios e gêneros, dos mais diversos, com a logo do Grêmio sumiam...a deles entupia.... Esta é que é a grande verdade extraída daquela época e que é sonegada da opinião pública, quer pelo empresariado quer pela mídia que, cautelosa, prefere não tocar neste delicado assunto e acirrar ânimos. Desmentidos certamente virão, mas quem viveu...viu. O fato é que este foi um dos grandes fatores para que o comércio não prosseguisse. Com pouca rentabilidade, por pouca renda, o rival teve que recuar e nós pagamos o pato pela sua inabilidade e dificuldades de comércio, porque o empresariado ou investia nos dois ou em nenhum. E recuaram todos. O Olímpico lotava de 4 em 4 dias. O Grêmio sempre foi uma marca top, aliás, não é à toa que por 16 ou 17 vezes vencemos o Top Mind. Bem, na época da construção do Estádio, no grande esforço do clube então pilotado pelo Grande Hélio Dourado, o Grêmio vendia como água pura e gelada no deserto fosse o que fosse. Então a questão não é com a marca. É de outra natureza. Fazer MKT com grandes vitórias também é mais fácil, e, de se dizer, na ocasião tínhamos um depto. atuante – por sinal capitaneava o setor o mesmo Vice de hoje, Ricardo Vontobel, pelo menos fez isto durante um bom tempo, sendo mais adiante assumido por Daniel Tevah e com Wesley Cárdia de diretor remunerado. Prova interessante de que a marca influencia, Wesley foi recepcionado no Inter com fogos de artifício quando trocou o Grêmio por eles .... mas não houve praticamente nenhuma alteração no cenário e em nenhum sentido. O Grêmio continuou campeão de vendas em tudo – e no campo também. E o número de sócios, sem um plano específico para isto, é verdade, subia dia a dia. O Clube que estava às portas da falência em 1993, se reergueu com uma administração competente e segura de F Koff e chegou ao primeiro passo para retornar forte como nunca: RESULTADO. E a partir dele, com planejamento, estruturou campanhas que se sucediam com sucesso inevitável, uma atrás da outra.

Sem dúvida nenhuma, o RESULTADO, de campo influi. Claro. É fator importante. Em 2005 quando cheguei a Vice do CA na Presidência P Odone o Grêmio possuía pouco mais de 4 mil sócios em dia. Uma população ridícula para uma nação de 7 milhões, mas que sofria a humilhação da 2ª divisão. Carregado por MKT também impotente ( e profissional bom é aquele que faz chover pra cima na adversidade, não o que fatura normalmente nas vacas gordas ...). Ali, pelas mãos de Reinaldo Lopes, passou o ponto de partida para que os sócios do clube chegassem, nada mais nada menos a 50 mil e em pouco tempo. Então a marca Grêmio não tem óbices, ela vende e mesmo. E vende no bom e no mau resultado, ainda que este tenha importância relevante, às vezes essencial, para o objetivo. Esta recuperação social em 2005 do clube é inegável.

2. Mas veja-se um detalhe importantíssimo: havia um foco dirigido no plano de recuperação social. O Grêmio tinha que reunir forças para sair da 2ª divisão, este foi o mote, e a convocação da torcida para integrar-se à associação como forma fundamental de o clube recuperar a credibilidade, a confiança e, claro, a história perdida de um de futebol, com títulos. Então essencial que haja o MOTIVO.

3. E motivo, quando não se tem: se cria. Necessário, portanto, que aliando-se RESULTADO e MOTIVO se ponha em prática o elemento profissional a CRIATIVIDADE. Dos três os dois últimos são os mais importantes. Me convencia disto nos dois exemplos. Futebol é resultado, sim, mas ele chega depois de premissas básicas, não antes.

4. E veja-se que é sim possível, sem o RESULTADO, se criar um MOTIVO e colocar em prática um plano com CRIATIVIDADE que dê certo. Será mais difícil, mas nem por isto inviável. Os exemplos dos dois períodos acima são ilustrativos. No primeiro criamos primeiro o RESULTADO e dele nos aproveitamos ( o Grêmio, entre tantos feitos daquela época, se bem se lembram, foi o clube brasileiro que mais vendeu camisas ......). No segundo, 2005, não tínhamos o resultado, ao contrário: nos dois episódios estávamos, de inicio, no fundo do poço.

5. O Grêmio chegou na marca dos 50 e se estabilizou. Hoje estaria com cerca de 60* mil e reiniciando campanha agora para alcançar os 100. E aonde se localiza a dificuldade para chegar nesta marca ?

6. Vamos dar um giro pelo rival. Existem identificadores evidentes no rival para terem alcançado, como dizem, o número perseguido. Alguns são simples, até, dentro do raciocínio supra.

6.1. Eles tinham um motivo exercido com criatividade pelo setor mais próspero do clube nos últimos 10 anos, o MKT. Qual o motivo que eles usaram ? O CENTENÁRIO. Nada mais próprio que buscar 100 mil tendo em mira o centenário. Quando teve inicio a campanha deles eu talvez tenha sido um dos primeiros a afirmar categoricamente: valerá e de tudo será feito para que alcancem os 100 mil e eu não tenho dúvida de uma coisa = se não chegarem farão chegar, de uma forma ou de outra, por bem ou por mal, o número será obtido. Perdão pela expressão quase chula: tava na cara. Se nas proximidades do centenário o número não apontaria para o êxito, eles mesmo comprariam e distribuiriam graciosamente pela cidade, a quem quer que fosse e quisesse, o título do clube. Errado isto ? Não creio. Estratégia, que foi posta em prática, foi pouco ou nada denunciada pela critica que, aqui, deu mais relevância ao feito do que à forma. Os fins justificavam os meios. O I distribuiu títulos de sócios pelos quatro cantos, a funcionários, para ex atletas, foi uma farra. Sem exageros, até cachorros receberam a tal ´honraria`. Certa vez estampou-se na manchete jornalística a foto de um belo cão cujo dono orgulhava-se de ser o primeiro cachorro a ser sócio do clube. O mais espantoso foi que no dia seguinte apareceu uma senhora brava, no mesmo jornal, reclamando o pioneirismo: eu associei o meu cão primeiro e já faz tempo.... Surreal. Cachorro, gato, papagaio, tartaruga, passarinho, todos os bichinhos de estimação valeram.
 
6.2. Sem exageros à parte ( e por ser a mais absoluta verdade o que acima foi dito ), sabe-se lá o que mais não foi feito para que se chegassem aos 100 mil, mas o que importa, o que efetivamente vale é que eles chegaram: ou ANUNCIARAM que chegaram. Este era o plano e ali estava a criatividade mesmo que pairasse algo duvidoso, a repercussão do fato era mais importante do que todo o resto.
 
6.3. Estampou-se isto no BALANÇO dos clubes. O Grêmio apresentou um balanço com 54 mil sócios e 26 milhões de arrecadação. Eles apresentaram um balanço com mais de 100 mil sócios mas somente 36 milhões arrecadados com isto...... Claro não ?
 
6.3.1. Os ventos sopram de lá que a inadimplência estaria na casa dos 30 mil ( as passagens da CVC tem de ser pagas e talvez alguns, ao menos, não consigam cumprir os dois compromissos .....) Pode ser pode não ser mas, aonde tem fumaça .... que é grande é ... como a tentação do Frei Serapião ....
 
7. Com um planejamento administrativo eficiente e um MKT poderoso eles chegaram ao RESULTADO, de campo.
 
7.1. E este foi por igual importantíssimo, talvez decisivo, para que a motivação tomasse conta do torcedor e adquirisse o título oferecido por um preço – veja-se as diferenças de balanço – muito acessível, mas muito mais acessíve que o nosso.
 
8. No balanço temos que convir, o nosso preço é bem mais elevado. Pelo que se noticia o Grêmio estaria hoje com algo em torno de 60* mil sócios religiosamente em dia (conta do ano passado e em balanço), com o que os 30 mil inadimplentes deles nos deixariam tecnicamente empatados.
 
8.1. Mas não vale. Por que ? Porque, como dito, o que importa é o feito.
 
9. E o que poderia esta obstaculizando chegarmos aos 100 ?
 
9.1. Olha, não sou um expert na matéria. Mas desconfio que além do RESULTADO, não estamos trabalhando um MOTIVO bom e ao menos até aqui parece que a CRIATIVIDADE está sendo ´estudada` ( estou sendo otimista e dando um voto de confiança a quem está lá, penso que devem estar minudentemente estudando o assunto ), mas minha desconfiança vai além.
 
9.2. A ARENA que poderia ser este MOTIVO propulsor de um PLANEJAMENTO adequado para a boa comercialização dos títulos, pode estar – pode, penso eu – sendo um entrave ou um contra motivo para a indecisão do torcedor gremista ( aliado ao preço bem mais caro que o deles até porque eles estão em reforma, nós estamos em construção...).
 
9.3. É necessário que haja mais clareza, para não dizer bastante mais, no que respeita ao destino dos sócios antigos e novos em relação à nova casa.
 
10. Dia desses um amigo foi contemplado com uma enquete que ainda não me chegou e não sei se chegou em vocês. Uma empresa, que se dizia em vias de comercializar a ARENA lançou-lhe algumas perguntas e no final lhe questionou sobre que preço estaria disposto a pagar na sua nova casa. Ele pensou, pensou, e relutante disse: no máximo o dobro, ao que o intelocutor lhe respondeu = isto é muito pouco tornaria o projeto inviável.
 
11. Me parece que cumpriria à direção ser mais clara, mais direta e mais precisa quanto a isto. Vou citar o meu exemplo pessoal. Tentei algumas vezes saber disto exatamente, precisamente, no clube. E fui ter com pessoas que estariam completamente inteiradas do assunto. Me considero uma pessoa esclarecida. E ao fim e ao cabo a ´recomendação` que me foi dada....continua pagando como está e aguarde para ver como ficará.....
 
12. Estou ansioso para ver a ARENA concluída e sempre fui desde o primeiro momento um defensor incondicional dela. Mas se aproxima verdadeiramente a hora de que todas as respostas tem que ser dadas. E bem dadas. Talvez não seja isto, ou só isto, um dos motivos para que esteja difícil alcançar os 100 mil, sem retirar o orgulho dos mais de 60* rigorosamente em dia. Mas certamente é um ponto relevante.
 
Abs tricolores

@cajosias Carlos Josias

60* - como só conseguimos saber os números dos sócio do Grêmio via rádios e jornais, esse número não é exato,  ou seja, esse número pode estar em 67 mil sócios em dia (minha última informação via rádio há 1 mês) - @gremio100mil.

Levem um amigo não sócio até o Quadro Social e ajude fazer a maior torcida do Sul do Brasil ter o maior número de sócios - via @SejaSocioGremio


Share |

domingo, 12 de junho de 2011

[Gol] - São Paulo 3 x 1 Grêmio - BR'11

Áudio: rádio guaíba



@gremio100mil



Share |

Pós-jogo: São Paulo 3 x 1 Grêmio - "ainda não marcamos gol fora de casa"


























Foto: ...em algum lugar na internet...

Tem coisas no futebol que só acontecem com o Grêmio, como o 1º primeiro gol do SP, a bola desvia em alguém e é gol...e o Grêmio até aquele momento estava até jogando bem, digo até, pois, devido à escalação que não deu certo com jogadores fora de suas posições de origem. Parece que quanto mais alternativas o Renato tem pior fica o time...exemplo: Gabriel - ele não pode jogar no meio ele é lateral e ponto final...Douglas mais avançado - ficou todo o 1º tempo perdido sem fazer nada, é nosso único meia armador, ou seja, deve jogar do meio para frente carregando a bola e fazendo o jogo fluir e não ficar esperando a bola do Lúcio ou Gabriel.

Bom, sobre o 1º tempo é isso, não tem o que falar o Grêmio não jogou e como aqui o blog não é do SP, não vou ficar falando do time deles.

No 2º tempo até o "gol do Grêmio" o jogo continuava o mesmo no ritmo do SP, notem que até agora fora de casa não fizemos ainda gols, ou seja, nossos gols (1 na vitória contra o Atlético-PR e o gol de ontem, foram gols contras), sendo assim, porque em casa jogamos com dois atacantes e fora só com 1 atacante, não tem explicação, no jogo de ontem o Escudero poderia ter entrado na frente com Viçosa ou até mesmo o Lins (acho ele muito limitado para jogar no Grêmio, mas teve boa participação quando esteve em campo), são essas pequenas coisas que fazem a "história" de uma partida e definem o jogo e o Renato não está conseguindo ver isso.

Depois do empata o time jogava "bem" e com a entrada do Marquinhos no meio e o Lúcio jogando na lateral Douglas voltou para posição de origem e parecia que poderíamos até sair com uma vitória ou pelo menos 1 ponto, mas uma bola "boba" entre Douglas e Rochemback dá um contra ataque para o SP e Victor que já tinha salvado o time em 2 oportunidades não teve o fazer...gol do SP. A partir desse resultado o Grêmio foi para cima, não tinha outra escolha, mesmo sabendo que poderia levar um contra ataque rápido e foi o que aconteceu em uma tabelinha entre o jogador do SP e o auxiliar Carlos Berkembrock que deixou o atacante livre na cara do gol sozinho com Victor que não teve o que fazer...bom daí era fim de jogo e fim de mais uma jornada esportiva. Aliás, esse auxiliar não é o mesmo que discutiu com o André Lima...só não me lembro o jogo...mas deixa para lá.

Agora é esperar que os reforços (Gilberto Silva e Miralles) e do DM (André Lima e Leandro) possam deixar o Grêmio mais forte, mas só espero que até que todos fiquem à disposição e jogando o estrago não seja grande, pois senão, já saberemos qual vai ser a desculpa no final do ano...ahhhh se todos os reforços pudessem atuar...mas tivemos que esperar pela janela....

Para o próximo jogo Renato não precisa inventar nada, já que Rafael Marques foi expulso, então Gabriel na lateral direita e Mário na zaga, mas isso fica para o decorrer da semana...em outro texto.

@gremismo11

PS: sobre a possível contratação do zagueiro Alex Silva. O AVM não confirma nada sobre a possível contratação, pois, tem um porém nela...o atleta ainda tem contrato com o SP...o empréstimo dele junto ao Hamburgo vai até 31 de julho e a janela de transferências internacionais vai até 20 de julho...e ontem em entrevistas as rádios de Porto Alegre, dirigentes do SP falaram que só liberam o atleta no final do contrato...ou seja, o SP quer algum dinheiro para liberar o atleta antes do final de contrato de empréstimo...muitos acham que ele está "livre" do SP, mas não, ele foi liberado para procurar outro clube...o contrato segue.


Share |

quinta-feira, 9 de junho de 2011

CONDOMÍNIO DE CREDORES

 Como nasceu o CONDOMÍNIO  que salvou as finanças do clube -  exemplo de circunstância que mostra como a ajuda de todos pode nos tornar IMBATÍVEIS

AMIGOS GREMISTAS:

Com alguma frequência num ou noutro blog surge a especulação de como teria nascido a idéia do condomínio, e sua montagem, seu crescimento, fator decisivo para a salvação do clube que no período pós ISL mergulhou numa profunda crise financeira que parecia insuperável. Em comentários miúdos já, por várias vezes, também num ou noutro blog, contei esta história, mas me decidi a aqui, relatar os fatos – dando antes de tudo um depoimento – porque tenho lido e ouvido tanto disparate dos quais alguns passam tão longe do ponto como o tempo que separa uma aparição da outra do cometa haley. Vou tentar resumir.


1. Em 2005 cheguei Vice no G com a eleição Odone, a 1a.

2. A divida era absurda e o G não tina como pagá-la. Me martelava uma entrevista do Homero Belini na Band em que ele dizia que o Grêmio só tinha uma solução que chamar todos os credores e dizer = olha se vocês quiserem tudo agora não sairá ninguém daqui com um tijolo de baixo do braço, então eu (ele Belini dizendo) faria uma concordata branca….

3. Eu fiquei bem impressionado com aquilo. O primeiro departamento a se profisisonalizar foi o DEJUR e o primeiro diretor remunerado, na Gestão Odone daquele ano que tinha como uma das metas profissionalizar todos os setores do clube a partir das linhas do planejamento estratégico, foi o DR. CELSO RODRIGUES, indicação do DR. F Koff ao ODONE e que era advogado do clube dos 13. Advogado, ex Juiz de Direito e que havia colaborado conosco na Reforma Estatutária cuja Comissão foi Presidida pelo mesmo Presidente Odone e que entre tantos Gremistas ilustres contava com a minha modesta contribuição.

4. No meu primeiro encontro com o Dr. Celso relatei a ele a entrevisa do Belini e indaguei dele: COMO PODERIAMOS FAZER ISTO,POR EM PRÁTICA ALGO ASSIM ?

4.1. Ressalvo que várias vezes prestei este reconhecimento – o do nascedouro da idéia e sua fonte, a público para bem referir o Dr. Homero.

4.2. RESPOSTA DO DR. CELSO = CONDOMÍNIO DE CREDORES….

4.3. Foi a primeira vez q ouvi falar na expressão. Pronto tava ali o inicio da solução.

5. Infelizmente o Dr. Celso saiu do clube por iniciativa dele, eis que estaria ficando incompatível sua atividade no G com o clube dos 13.

5.1. Por indicação minha foi contratado o Escritório Levenzon: queria um profissional de renome, de representatividade, e ele tinha sido Presidente da OAB e era do Conselho Federal da OAB … Veio ele e com ele o Dr. Gustavo Pinheiro.

6. Mostrei o esboço do Plano que o Dr. Celso tinha deixado.

6.1. Eles iniciaram então a elaboração minudente do plano e aprontaram o projeto.

6.1.1. Ambos foram repatriados agora por ODONE e retornaram ao clube depois de terem saído na Gestão Duda, até onde sei, sairam porque quiseram.

6.2. Plano pronto, tinha que ter alguém do financeiro engajado para dar continuidade até porque não havia como projetar a idéia sem o acompanhamento do Financeiro, por óbvio.

6.2.1. Foi ai que chamamos o Dr. Airton Ruschel, braço direito do Tulio Macedo no Financeiro e que havia ingressado ali por sugestão minha logo que assumi a Vice, o Tulio nem o conhecia.

6.2.2. O Dr. Airton havia sido assessor da Vice Presidência exercida por Jaime de Marco e conhecia muito bem a situação do clube. Túlio Macedo chegava no Grêmio sem conhece-la, e o Dr. Airton foi seu guia, fundamental sua presença naquele ano para o desenvolvimento do setor e do clube.

7. Pois o plano foi concebido e posto em prática assim.

8. O primeiro a ser chamado foi um advogado que tinha uma grande quantidade de jogadores com reclamatórias trabalhistas. A idéia era, faz com ele, joga um monte no condominio e pronto, aberta a porta os outros serão atraídos. Advogao Décio Newhouse, aqui também a iniciativa Dr. Celso quanto ao inicio do plano e com ele, Dr. Cleso, já tinhamos feito vários contatos com o profissional sobre o caso.

8.1. O Dr. Décio aceitou a ´composição` e seus clientes, como disse diversos jogadores, foram recepcionados no condomínio dando-se o decisivo ponto de partida para a empreitada.

9. Os Drs. Levenzon e Gustavo continuaram o que já tinha sido iniciado e com o Dr. Airton Ruschel passaram a desempenhar a função verdadeira de saneamento nas finanças do clube que hoje chega praticamente ao fim – 6 anos depois.

10. Nasceu assim a salvação do Grêmio nas suas finanças.

11. Para esclarecer, quando Odone saiu em 2008 havia um atraso de 6 milhões que foi regularizado.

11.1. A Gestão Duda liquidou a maior de todas as pendências. O Atleta Zinho e a segunda maior, junto ao Corinthians, face o Atleta Nenê.

12. Hoje o Clube pode ter o orgulho de se ver recuperado especialmente no que tange ao seu crédito. A credibilidade. O Grêmio hoje se orgulha de ser o que sempre foi: um clube de imagem impecável e reputação íntegra. Um clube grande, vitorioso e cumpridor de suas obrigações.

Foi isto e foi assim.

Abraços

@cajosias - Carlos Josias

...te associe ao CLUBE Grêmio, não espere acontecer, faça acontecer...


Share |

terça-feira, 7 de junho de 2011

[Arena do Grêmio] - Projeto da OAS vai proporcionar cidadania para o canteiro de obras da Arena do Grêmio

Projeto da OAS vai proporcionar cidadania para o canteiro de obras da Arena do GrêmioProjeto da OAS vai proporcionar cidadania para o canteiro de obras da Arena do Grêmio"O mais importante pra mim foi saber escrever meu nome. Antes, só usava a digital, agora me sinto um cidadão. Foi tudo através da oportunidade que tive de participar da escola", fala emocionado o ex-aluno, Renivaldo Pereira da Silva, 38 anos. Voltada para operários com o objetivo erradicar o analfabetismo, a Escola de Produtividade da OAS formará alunos do 1º ao 5º ano em um dos empreendimentos mais importantes do Rio Grande do Sul. A formação é reconhecida pelo Ministério da Educação – MEC.

Assim como Renivaldo foi alfabetizado dentro de um canteiro de obras pela Escola de Produtividade da OAS, os trabalhadores da Arena do Grêmio terão a mesma oportunidade através da escola inaugurada no canteiro de obras no Bairro Humaitá, em Porto Alegre. Com o projeto, que vai além das fronteiras brasileiras, a OAS inicia as aulas do primeiro módulo aos colaboradores da obra. O futuro aluno Lucas Mapomuceno do Nascimento, 29 anos, diz que é a primeira vez que participa de um projeto como esse. "Sempre tive dificuldade para ler e escrever. Nunca consegui conciliar o trabalho e os estudos. Agora esse sonho está se tornando realidade através da escola", fala entusiasmado.

As primeiras turmas de trabalhadores terão aulas do módulo de educação básica, com duração de oito meses, e realizadas no período da manhã e ao final da tarde. No início serão 2 turmas com 25 operários por sala. Nesse período, os alunos serão formados até o 5º ano do ensino fundamental. A professora de Língua Portuguesa, Ana Maria Guimarães Batista ressalta que é a primeira vez que trabalha com alfabetização dentro de um canteiro de obras. "É maravilhoso ver uma empresa como a OAS se preocupar com a educação", conclui.

Além de contribuir para o desenvolvimento social, a Escola OAS traz benefícios tanto para o trabalhador quanto para a empresa, como a melhoria do desempenho, a otimização dos processos de trabalho, o aumento da autoconfiança e da produtividade, maior compreensão das normas de segurança no trabalho e redução de acidentes. Além disso, ao final do curso, os alunos recebem a Carteira de Produtividade, que garante a preferência na contratação deles em outras obras da construtora.

Sobre a Escola OAS

O projeto de educação básica em canteiro de obras idealizado pela OAS completa 10 anos em 2011. Desde 2001, a empresa já havia identificado a necessidade de mão de obra qualificada para o setor de construção civil e diante deste cenário, investiu e iniciou o compromisso de contribuir com a educação nos canteiros de obra.

Pioneira no desenvolvimento de ações de educação para operários de obra, a Escola de Produtividade OAS tem alunos formados em todas as regiões do Brasil. Atualmente, a Escola OAS tem como objetivo erradicar o analfabetismo entre trabalhadores de suas obras, oferecendo novas perspectivas, oportunidades e cidadania a estes profissionais. Segundo Marianne Grigaitis Widonsck, responsável pelo projeto da escola de produtividade em todo Brasil, a OAS está expandindo o projeto para outros países, como é o caso do Haiti.

Fonte: Eliana Camejo e Karina Abrahão


Share |